QUEM ALINHA?

Chegou aos meus ouvidos que o Tomás tinha batido num amigo. Tive logo uma conversa com ele para perceber o que se estava a passar. Pelo o que pude perceber  foi motivado por outro amigo a bater nesse menino, com a ameaça que caso não fizesse isso deixaria de fazer parte do “grupo”. A primeira palavra que me veio à cabeça de toda essa situação foi: “Bullyng!”. Tive uma conversa com ele sobre o assunto e fiquei atenta aos restantes episódios.

A última novidade que soube foi da boca do Tomás. O amigo tentou novamente e desta vez disse-lhe que se não deixasse de ser amigo do outro menino deixaria de ser o seu melhor amigo mas ele não cedeu. Numa conversa comigo acabou por confessar que se sentia triste mas que não achava certo o que o seu amigo estava a fazer.

Parabéns Tomás!

#credits Marta D’Orey, MD Photography

Mas nem sempre as histórias acabam assim. Por isso lanço-vos um desafio, daqueles que abracei logo que soube. Este sábado dia 12, às 11h30, no Coreto do Jardim da Estrela, a minha querida amiga Sofia Saragoça vai fazer uma leitura teatralizada do livro “O Menino que não queria crescer”. Um programa bem giro para fazer em família e quem for tem oportunidade de apoiar uma boa causa pois…

…a compra do livro vai reverter a favor da implementação do “Roots of Empathy”, em Portugal. Um projeto que tem o objetivo de combater a violência e o bullyng infantil. Segundo a organização desta iniciativa “O Roots of Empathy é considerado o programa mais disruptivo e inovador no setor da educação à escala mundial.”

Quem é que alinha?

You may also like


Últimos comentários


Ana Freire Um problema transversal... que acho eu... atravessa a sociedade, desde os mais novos aos mais velhos, em diversos contextos... mais divulgados, ultimamente, em relação aos mais novos, e sentido-se também, mais presente nas redes sociais...
Adorei a abordagem do tema, por aqui...
Beijinhos
Ana

Comentar


Um pensamento em “QUEM ALINHA?

  1. Um problema transversal… que acho eu… atravessa a sociedade, desde os mais novos aos mais velhos, em diversos contextos… mais divulgados, ultimamente, em relação aos mais novos, e sentido-se também, mais presente nas redes sociais…
    Adorei a abordagem do tema, por aqui…
    Beijinhos
    Ana

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *